Como assinar
Edições           anteriores
História


Araçatuba, domingo, 23 de setembro de 2001

Disque-Folha

Morador do Umuarama
reclama de descaso com buraco

Eloisa Morales
Lécio Jr.

PROBLEMA Buraco no cruzamento da Aristides Troncoso Peres e Dirceu Gonçalves Santos continua irritando morador

O auxiliar administrativo Edvaldo Carlos, de Araçatuba, voltou a reclamar para a coluna Disque-Folha sobre os buracos no asfalto na esquina das ruas Aristides Troncoso Peres e Dirceu Gonçalves dos Santos, no bairro Umuarama.
A primeira denúncia já havia sido publicada no dia 18 de agosto. Na ocasião, a Sosp (Secretaria de Obras e Serviços Públicos) respondeu que iria programar um tapa-buracos no local para os próximos dias. Mas esta semana, o morador voltou a telefonar para a reportagem para dizer que nada foi feito. "Eles vieram aqui no bairro, tamparam vários buracos e quando chegou a vez desse, suspenderam o serviço", relatou.

OUTRO LADO — A informação, na secretaria de obras, é que o morador terá de esperar um pouco mais pelo tapa-buracos no local, já que a Sosp está sem emulsão asfáltica para fazer o serviço. A previsão é que o produto chegue em aproximadamente 20 dias. A licitação para a compra do produto já foi aberta, mas de acordo com a secretaria, houve um atraso por conta de um recurso que uma das empresas concorrentes moveu contra outra.
A Sosp explicou ainda que na ocasião, o tapa-buraco prometido não foi feito porque a emulsão que a secretaria tinha na época não foi suficiente para tampar todos os buracos existentes.


Demora em fila de banco irrita cliente

Quase três horas de fila. Este foi o tempo que o usuário do Bradesco Maurício de Oliveira esperou para pagar uma promissória na agência central, em Araçatuba, no calçadão da Marechal Deodoro, na última segunda-feira. "E olha que sou cliente do banco. Imagine se não fosse", comentou.
Oliveira afirmou que chegou a falar com a gerência, que não teve como contornar o problema, dizendo que não podia fazer nada.
Ele disse que na terça-feira enfrentou a fila mais de uma hora novamente, e que isso não pode acontecer. "Isso é um desrespeito", qualificou.

OUTRO LADO — A gerência do banco informou que às segundas e às terças-feiras são normalmente dias de grande movimento na agência e que, possivelmente, o cliente procurou o banco em um horário onde o movimento é ainda maior, como hora de almoço, por exemplo. Segundo o gerente, que preferiu não ser identificado, muitas pessoas ainda não se acostumaram ao novo horário bancário, adotado por causa do plano de racionamento de energia elétrica, e deixam para ir ao banco próximo ao horário de fechamento, o que provoca um congestionamento nas agências. ( Eloisa Morales) (Colaborou Marcelo Trevizo)