Caderno 2
cultura@folhanet.com.br
 
 

MÚSICA 1
O auge de Gian & Giovani
 
 
Foto: Paulo Gonçalves
 
 

        A dupla Gian & Giovani pretende até outubro rodar o país com a turnê do show “Mil Corações”, apresentado ontem na última noite da Expô 99. Os irmãos sertanejos disseram ontem em entrevista à Folha da Região que vivem a melhor fase da carreira de mais de dez anos. O último CD, gravado ao vivo em Franca, cidade natal da dupla, em 1º de novembro de 98, foi lançado com 250 mil cópias vendidas e atualmente ultrapassou as 700 mil cópias.
A música “Nem Dormindo Consigo Te Esquecer”, incluída no show, e que ganhou versão em espanhol para a trilha sonora da novela “Felicidade”, da Rede Globo, apresentada em alguns países da Europa e América Latina, tem sido muito executada nas rádios da Espanha, Itália e México. Por isso, eles repetiram o processo com a música “Chuva de Saudade” para a novela “Cara & Coroa”, também em exibição no exterior.
A dupla revelou à reportagem que apesar da carreira internacional não estar em primeiro plano no momento, não descarta a gravação de um álbum com seus maiores sucessos em espanhol, no próximo ano, e a possibilidade de uma dedicação maior a esse mercado. Sua nova gravadora, Warner/Continental, com a qual firmaram contrato há pouco mais de um mês, apóia a decisão.
Apesar dos 22 shows que apresentam, em média, por mês, Gian e Giovani já escolhem repertório para o próximo disco. As gravações começam em outubro, quando fazem uma pausa na turnê.

FÃ - A oficial de Justiça do Fórum de Araçatuba, Elisabeth Gon, é uma fã fiel de Gian e Giovani. Influenciada pela filha Graziela, fã mais antiga,
Elisabeth e o marido foram ao show da dupla, em 96, durante o último comício do então candidato a prefeito Jorge Maluly Neto, em Araçatuba, e se apaixonou pelo som deles. Dali por diante, passaram a freqüentar todos os shows que os irmãos faziam nas cidades próximas.
Numa promoção da Pérola FM de Birigüi, Elizabeth mandou 771 cartas e foi sorteada junto com a filha para assistirem à dupla no Olympia, em São Paulo.
“Eles são muito simples e acessíveis, ficaram conversando com a gente depois do show até três e quinze da manhã”, conta Elisabeth, que junto com a filha mantém uma coleção de 450 fotos nas quais estão em companhia da dupla. A família também se incumbe de gravar tudo que assistem relativo a Gian e Giovani na televisão.
O marido e a filha não são os únicos fãs na família. “Tios, primos, amigos, levamos sempre algum novo convidado para assistir aos shows com a gente. A caravana está cada vez maior”, conta Elisabeth. Convidada pela dupla, ela e a família jantaram juntos após o show de ontem.
 
 



 
 

MÚSICA 2
Titãs anunciam CD
só com regravações

       O novo disco dos Titãs já está pronto e deve ser lançado em setembro. Gravado em Seattle (EUA) e produzido por Jack Endino —que já trabalhou com eles em 93 no álbum “Titanomaquia” e foi um dos produtores do Nirvana—, o novo trabalho segue a linha dos dois anteriores, com regravação de antigos sucessos rearranjados.
Os trabalhos paralelos de alguns músicos da banda, no entanto, prometem alguma novidade. Tony Belloto, que lançou há poucos meses seu segundo romance policial, “Bellini e o Demônio”, está auxiliando a roteirização do livro de estréia “Bellini e a Esfinge”, que deve ser filmado em São Paulo no segundo semestre pelo cineasta carioca Teodoro Fontes. O guitarrista ainda será responsável por parte da trilha sonora.
Nando Reis exercita sua porção produtor mais uma vez. O resultado poderá ser conferido no novo CD de Cássia Eller, com lançamento previsto para a próxima semana. Além da produção, o álbum da cantora ainda traz quatro inéditas dele, entre composições também inéditas de Marisa Monte, Carlinhos Brown, Gil e Caetano.
Nando, autor de hits gravados por outros artistas, como a música “Resposta”, continua a todo vapor, criando novas canções para um provável segundo disco solo.
Já Paulo Miklos está viajando pelo Brasil, apresentando-se em pequenos teatros, tocando sozinho o repertório de seu primeiro disco solo. Neste show, que já passou por Campo Grande e Porto Alegre, ele se alterna entre piano, violão e gaita.
 
 

Foto: Paulo Gonçalves
PROJETO/ Nando Reis, que já pensa no 
segundo CD solo, canta durante show na Expô
 
 



 
 

MÚSICA 3
Fagner é acusado 
de ‘maquiar’ canção 

Jotabê Medeiros

       SÃO PAULO - O disco “Manera Frufru Manera”, do cantor e compositor cearense Raimundo Fagner, corre o risco de entrar para o livro dos recordes como o mais problemático da música popular brasileira.
Depois de ter sido comprovado, em 1981, que Fagner gravou duas canções que eram plágio de poemas de Cecília Meireles (“Canteiros”, também de “Manera Frufru”, e “Motivo”, de um disco chamado “Fagner”, de 1979), um novo imbróglio se criou em torno de um dos seus sucessos mais conhecidos, “Penas do Tiê”. Fagner alegou, quando do lançamento do disco, que “Penas do Tiê” era uma adaptação sua do folclore, de uma canção recolhida do domínio público.
“Penas do Tiê” nada mais é do que uma regravação, ipsis litteris, de “Você”, uma composição de Hekel Tavares (1886-1969) e Nair Mesquita, editada em 1928 e dedicada à cantora lírica Gabriella Besansoni Lage.
O “deslize” de Fagner, apontado inicialmente pelo jornalista Tárik de Souza, do Jornal do Brasil, demorou 26 anos para ser descoberto (de 1973 até hoje). E só o foi porque o filho do compositor Hekel Tavares, Alberto Hekel Tavares, ouviu uma gravação recente da Orquestra Pró-Música do Rio de Janeiro, tendo como solista a cantora Ithamara Koorax, e pôde comparar com as gravações anteriores de Fagner.
“É inacreditável: tratava-se da mesma canção”, diz Alberto Hekel Tavares. Segundo ele, Fagner só mudou duas palavras. “Ele chama a fruta gabiroba de guabiraba, coisa que não existe”, diz Tavares. Desde sua gravação inicial, em 1973, “Penas do Tiê” (ou “Você”) teve diversas regravações. Joanna a gravou no CD “Vidamor”, pela BMG. A Philips a relançou duas vezes. Nana Caymmi a canta em dueto com Fagner no CD “Amigos e Canções”, também da BMG.
A gravadora Warner Chapell, com quem Fagner assinou contrato para a gravação original de “Manera Frufru Manera”, admite o equívoco do crédito e está em contato com os advogados dos herdeiros de Hekel Tavares. Fagner, também contatado, reconhece que houve um problema, mas acha muito alta a quantia pedida como indenização: R$ 400 mil. “A canção não só não era do folclore como era bastante conhecida e de um dos grandes compositores brasileiros”, diz Alberto Hekel Tavares. “Nós queremos indenização financeira e também moral, porque a obra do meu pai foi usurpada”, afirma. Caso não haja um acordo, Tavares pretende processar Fagner.
Hekel Tavares foi um compositor de sucesso na primeira metade do século. Compunha música popular e também música sinfônica. Nos anos 50, seu “Concerto em Formas Brasileiras” foi apresentado nos Estados Unidos com a pianista Guiomar Novaes, como solista, e sob a regência do maestro Karl Kruger. (Agência Estado)
 
 



 
 
 
 

Redação no vestibular da Toledo

       Sempre digo a meus alunos do ensino médio cujo objetivo é adentrar os portais das Faculdades Toledo, que se dediquem com mais intensidade à redação, pois essa prova vale 50% dos pontos dos exames vestibulares. E redigir bem significa ler bastante (jornais, revistas e livros), exercitar muito (uma redação por semana, no mínimo) e ter o acompanhamento de um professor.
Nesta coluna, hoje, analisamos a proposta de redação do vestibular da Toledo, que apresentou duas fotos. A primeira era triste, porque mostrava homens em fila que atravessaram a fronteira de Kosovo e esperavam para receber comida no campo de refugiados de Kukes, na Albânia. A segunda era uma foto alegre, pois retratava o momento em que diretores belgas Luc e Jean-Pierre Dardenne seguram a Palma de Ouro junto à atriz Emilie Dequenne.
A banca pedia que à vista do que o vestibulando pudesse depreender das duas fotos, cujos sentidos se opunham, construísse um texto dissertativo em prosa (em parágrafos, não em versos), que fosse resultado de suas reflexões.
O estudante necessitava explorar em seu texto a oposição das duas fotos, ou seja, as diferenças. Como se pedia um texto dissertativo, o redator não podia descrever, levantar aspectos.
Como a própria proposta orientava: “um texto dissertativo em prosa, que seja resultado de suas reflexões”, o aluno estava livre para pôr sua opinião sobre os contrastes, como: sofrimento/prazer, guerra/paz, alegria/tristeza, realidade/ficção.
Muitos vestibulandos, embora tenham feito um texto razoável, não conseguiram boas notas porque ficaram explicando ou reprovando a Guerra de Kosovo, só focalizaram a primeira foto, se esqueceram da segunda, ou melhor, não fizeram a relação. Não perderam alguns minutos para entender bem a proposta.
Digo isso porque fui um dos corretores das redações. Éramos aproximadamente 15 professores de Português. Cada profissional corrigiu cerca de 80 textos.
Antes de iniciar a correção, sob a coordenação do professor Tito Damazo, discutimos os critérios, que ficaram assim: 0,5 ponto para o título bem elaborado; até 3,0 para o gênero (dissertação e prosa); até 3,0 para a abordagem adequada do tema proposto; até 2,0 para coesão, coerência, concisão; até 1,5 para a correção gramatical.

Teste da semana (resposta)
Ele interviu ou ele interveio? Qual forma do verbo intervir está correta?
Resposta: O certo é “ele interveio”. O verbo “intervir” deriva-se do verbo “vir”. Exemplos: eu vim/ eu intervim, tu vieste/tu intervieste, ele veio/ele interveio, nós viemos/nós interviemos, vós viestes/vós interviestes, eles vieram/eles intervieram.

Teste da semana (pergunta)
Qual forma está correta? Meio nervosa ou meia nervosa?

Serviço de tira-dúvidas: consa@folhanet.com.br
 
 



 
 
 

CONCURSOS

Ficam abertas até 15 de julho as inscrições para o 12º Concurso Nacional de Contos Cidade de Araçatuba. Informações sobre o regulamento e inscrição são fornecidas pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Rua Duque de Caxias, 29, telefone 018/624-6000, ramais 138 e 158). Premiação de R$ 1 mil (1º lugar), R$ 500 (2º lugar) e R$ 300 (3º lugar).

***

A Academia Araçatubense de Letras está recebendo inscrições para três concursos literários até 30 de julho. Os concursos são de trovas (com prêmios em dinheiro até o terceiro colocado), poesias (com prêmios em dinheiro até o terceiro colocado) e edição de livros (o primeiro colocado será premiado com a edição do livro paga pelo Café Roceiro). Informações pelo telefone 624-7638, com Márcia.

CURSO

A professora Lúcia Milani Piantino está formando turmas para o curso de redação e interpretação de textos para vestibular, a se realizar de agosto a novembro, no Unicolégio e Retomada. Informações pelo telefone 623-7775.
 
 



 
 
 
 
Paulistanismo

      Quando soaram os acordes do Hino Nacional, um “frisson” de civismo percorreu o recinto engalanado nas cores paulistas, no leilão do Boitel, dia 9 de julho. Depois, ainda vibraram todos com o “Eu sou paulista, com muito orgulho”.
Coincidência ou não, a Expô acontece em julho e há cinco anos os criadores paulistas fazem com que seu leilão ocorra no dia maior do civismo das plagas de Piratininga. A bandeira das 13 listas, glorificada por Guilherme de Almeida, empresta suas cores para toda a decoração do local, enchendo os olhos e o coração.
Mas a participação dos nossos criadores não é uma incitação aos outros Estados. Especialmente Minas Gerais, que tem criadores de animais da melhor estirpe. Os pecuaristas mineiros convivem muitíssimo bem com os daqui, numa confraternização bem nacional, já que o gado PO é moeda forte em qualquer parte do Brasil.
Assim sendo, nomes da mais alta pecuária se confraternizam com outros expositores e fazem com que essa festa que abrange classes de A a Z nos traga os criadores mais expressivos, como foram os que participaram de leilões nelore, tanto no A. Clube, como em outros recintos.
 
 

ANFITRIÃ/ A grande dama Margot de Almeida Guarita colaborou com o filho Dario, ajudando a receber convidados não só para o grande evento, como hospedando gente das Alterosas e do Velho São Paulo, em sua confortável casa de campo
 
 
ESTIRPE/ Sônia (sra. Almirante José Maria Amaral), charmosa e com ar bem juvenil, fez com os irmãos, cunhadas, filhos e sobrinhos, as honras da casa, no grande almoço que reuniu compradores e vendedores da mais alta linhagem
 
 
ASSESSORA/ A diretoria do Siran convidou Marie Marques de Oliveira para comandar os eventos da entidade durante a Expô. No que ela se saiu muito bem
 
 
CONVENÇÃO/ Na recente reunião nacional do Lions, em Serra Negra, estiveram presentes os araçatubenses Martha Matsumoto, Marley Cardassi, Laurinda Kawata, Tadami Kawata, Dalva Liberati, Minoru e Yoko Tashiro. No desfile, fizeram bela figura com o uniforme em várias cores. A companheira Jandyra Bocuhy não pôde participar da passeata
 
 
REVOLUÇÃO/ A 9 de julho falou-se muito em soldados constitucionalistas. Os remanescentes de Araçatuba foram homenageados pela Câmara Municipal, incluindo o nome de Augusto Barbosa, recentemente falecido, sempre o grande orador sobre esse fato histórico. Convém lembrar que o dr. José Castanheira, então residindo em Mococa, também participou ativamente como capitão-médico. Aqui com a esposa Cloé
 
 
PRIMOGÊNITO/ O sorriso é anterior ao grande evento. Mas tem sido uma constante desde o último dia 2, quando chegou João Paulo, com todas as honras de primeiro herdeiro. É o bebê de Bruna e João Flávio Lopes Filho e neto dos jovens avós Kátia e Osvaldo Árias e Sônia e João Flávio de Oliveira Lopes
 
 
UNA/ O pessoal da Terceira Idade anda dando um “baile” em muitos jovens. Impressionante o fôlego e o entusiasmo que tem. O grupo de tai-chi é liderado por Edwiges Bernardes, de vermelho, à frente
 
 
AMICI/ Desfrutando das belezas do Brasil e curtindo os familiares, o casal Marida e Massimo Venti, hoje no Pantanal, seguindo depois para a Serra Gaúcha e subindo depois para o Nordeste. Eles amam o Brasil. Aqui com Norma e Teucle Manarelli
 
 
PRESENÇA/ Fazendo o máximo para colaborar em todos os eventos, esse grupo liderado por Carlinda Jacobs é formado por personas-gratíssimas na sociedade. Todas são beneméritas. Aqui, quando foram ao leilão do A. Clube: Madalena Jacobs, Olga Oba, Lourdes Fernandes Klysis, Teresinha Jacobs e Dirce Rezek. No próximo sábado, 17, estarão no chá beneficente organizado pelas voluntárias da Santa Casa, no salão de festas Varanda, às 15h30
 

Três gerações
 
 

TRADIÇÃO/ Gabi e Cláudio Carani Filho. Deram uma chegada em Campos do Jordão e litoral fluminense e partem amanhã para os Estados Unidos completando a viagem de núpcias

       Quando assistimos, no último dia 2, ao casamento de Gabriela e Cláudio Carani Filho, nos lembramos que avós, pais e filhos haviam passado por nossas páginas. A amizade com d. Margarida Rezek (que nos deu uma Rainha da Primavera - Marlene); o contato sempre afetivo com d. Zaida e sr. Ézio Carani; a antiga convivência com d. Rosa e sr. Dezidério (pai), em Lavínia; a lembrança de Daisy e sr. Atílio, no Rotary, e nas aulas de italiano. Enfim, as reportagens dos casamentos dos pais dos noivos, de cuja realização participamos tão intensamente. Quando Derinho e Evely ficaram noivos, tive o prazer de fazer o pedido. E quando se casaram em 4 de setembro de 67, lá estávamos nas cerimônias e na festa. O mesmo acontecendo quando Marlene e Cláudio se casaram em 7 de outubro de 71. Foi quando sr. Ézio mandou trazer terra de Lençóis Paulista para que o noivo pisasse na festa o chão onde nasceu. Quantas recordações.
 

 
Volta ao topo da página